Vem recapitular alguns dos assuntos mais importantes que foram e vão ainda ser dados nas aulas de H.G.P. Deixa comentários e sugestões e diverte-te com estas aprendizagens...
.mais sobre mim
.Assuntos do blog

. 1820

. 25 de abril

. a oposição ao estado novo

. a união europeia

. a vida nas cidades

. aprender e aplicar

. batalhas

. comunicações

. constituição de 1911

. ditadura militar

. evolução da bandeira nacional

. fichas de avaliação

. filmes

. generais

. guerra civil portuguesa

. imagens sobre a época da primeira repúbl

. império e monarquia absoluta no século x

. independência do brasil

. invasões francesas

. jogos

. liberalismo

. mapa cor-de-rosa

. o desastre da ponte das barcas

. o golpe militar do 28 de maio

. o luxo na corte de d. joão v

. o rei d. carlos

. parlamento

. portugal

. portugal durante o estado novo

. portugal no século xviii

. presidentes da 1ª república

. primeira república portuguesa

. rainhas e presidentes de portugal

. reis

. revolta do 5 de outubro de 1910

. salazar e o estado novo

. séc. xix

. século xix

. século xix - a vida no campo

. sites de história para consultares

. transportes

. webquest`s

. todas as tags

.pesquisar
 
.posts recentes

. Fichas de Avaliação

. Reis, Rainhas e President...

. JOGOS

.últ. comentários
Gosto de fazer exercicios de história e geografia ...
que bom faser exercicios de ciencias neste blog
olhe peço desculpa mas devem ser cegos porque o qu...
.Posts mais comentados
5 comentários
4 comentários
.arquivos
Sábado, 18 de Junho de 2011
Império e monarquia absoluta no século XVIII

 

Império e monarquia absoluta no século XVIII

Durante o domínio filipino, os inimigos de Espanha (Holanda, Grã-Bretanha, França) ocuparam parte do Império Português, sobretudo a Oriente.

O Brasil veio então tomar o lugar que tinha antes a Índia na economia portuguesa. O açúcar, primeiro, o ouro e os diamantes, depois, eram agora as principais riquezas que chegavam ao reino.

Muitos milhares de colonos portugueses emigraram para o Brasil, na esperança de enriquecer.

Mas as plantações de açúcar e os engenhos exigiam muita mão-de-obra.

Os primeiros colonos tentaram utilizar os índios como mão-de-obra escrava. Mas estes, habituados à liberdade, não se adaptaram ao trabalho: revoltavam-se, adoeciam, fugiam... Foi de África que começaram a vir os escravos necessários à cada vez maior produção de açúcar.

Os primeiros colonos tentaram utilizar os índios como mão-de-obra escrava. Mas estes, habituados à liberdade, não se adaptaram ao trabalho: revoltavam-se, adoeciam, fugiam... Foi de África que começaram a vir os escravos necessários à cada vez maior produção de açúcar.

O principal comércio fazia-se, assim, através do Atlântico: os navios partiam de Portugal e dirigiam-se à costa africana, de onde levavam sobretudo escravos para o Brasil; daqui, traziam açúcar, ouro e diamantes.

Os escravos trabalhavam nas plantações de açúcar, nos engenhos e nas minas.

 

A MONARQUIA ABSOLUTA NO TEMPO DE D. JOÃO V

Durante o reinado de D. João V chegaram ao reino grandes quantidades de ouro e diamantes, vindos do Brasil. Também o comércio de açúcar, tabaco, vinho e sal dava grandes lucros. Isto tornou D. João V um rei muito poderoso e rico.

Passou a governar sem convocar Cortes e concentrou em si todos os poderes: o poder legislativo (fazer as leis), o poder executivo (mandar executá-las) e o poder judicial (julgar quem não cumpre a lei). Governou como rei absoluto.

A corte de D. João V tornou-se uma das mais ricas da Europa. Davam-se grandes banquetes, consumia-se café e chocolate, novidades da época, e rapé (tabaco moído). Nos bailes, dançava-se a pavana e o minuete ao som do violino ou do cravo. Jogava-se às cartas, às damas e aos dados. Assistia-se a sessões de poesia, de música e a representações teatrais. Era também muito apreciado o espectáculo das touradas e a ópera.

 

 

A sociedade portuguesa do século XVIII continuava dividida nos três principais grupos sociais que já conheces: nobreza, clero e povo.

 

A nobreza

A nobreza continuava a ser um grupo social privilegiado, que vivia dos rendimentos das suas propriedades.

Imitava em tudo o luxo da corte de D. João V: habitação, festas, banquetes, vestuário...

 

O clero

O clero era também um grupo social rico e poderoso. Com a protecção do rei, aumentou o número de mosteiros, conventos e igrejas.

Para além do culto religioso, dedicava-se ao ensino e à assistência aos necessitados. Presidia ao Tribunal da Inquisição que julgava todos os que não respeitavam a religião católica.

 

O povo

O povo vivia com muitas dificuldades, sobretudo no campo, devido aos baixos salários e aos muitos impostos. Continuava a alimentar-se sobretudo de pão, peixe e legumes. Eram pequenos comerciantes, artífices, camponeses, criados, aguadeiros, carregadores...

Este grupo social engloba também a alta burguesia que continuava a enriquecer com o comércio.

 

As grandes construções

O reinado de D. João V foi marcado pela construção de obras monumentais, possíveis devido ao ouro do Brasil.

O estilo da época é o Barroco que se caracteriza pela abundância de decoração e pelo uso de linhas curvas. Igrejas e palácios são decorados com talha dourada, azulejos e mármore.

Desenvolveu-se a ourivesaria, a cerâmica, a pintura, a azulejaria, o mobiliário, ...

 

 

 

LISBOA POMBALINA

 

D. José I sucede a D. João V em 1750 e nomeia primeiro-ministro Sebastião José de Carvalho e Melo, mais tarde Marquês de Pombal.

O reino encontrava-se numa grave crise económica: o ouro vindo do Brasil era cada vez menos, a agricultura produzia pouco e as indústrias eram poucas.

Comprava-se quase tudo ao estrangeiro.

 

Em 1755 (dia 1 de Novembro), Lisboa sofre um grande terramoto. A cidade ficou destruída e foi o Marquês de Pombal que tomou medidas para "cuidar dos vivos e enterrar os mortos ". Morreram mais de 20 000 pessoas e ficaram em ruínas cerca de 10 000 edifícios.

O próprio Marquês de Pombal acompanhou a reconstrução de Lisboa. Decidiu arrasar a "Baixa" e aí construir uma zona nova - a Lisboa pombalina - com características próprias:

ruas largas e perpendiculares, com passeios largos e calcetados;

edifícios harmoniosos, todos da mesma altura, com varandas de ferro forjado, e construídas com um sistema anti-sismos;

uma grande praça - a Praça do Comércio - construída no local do antigo Terreiro do Paço, onde iam dar as ruas "nobres" da cidade.

 

AS REFORMAS POMBALINAS

 

A grande capacidade para resolver problemas e a eficácia demonstrada após o terramoto pelo Marquês de Pombal, levaram-no a conquistar a confiança total do rei. D. José entrega-lhe o controlo do governo.

O Marquês de Pombal inicia então um conjunto de reformas destinadas a desenvolver o País e a afirmar o poder absoluto do rei.

 

Reformas económicas

instalou novas indústrias no país;

criou companhias monopolistas, controladas pelo estado (na área da agricultura, pescas e comércio), impedindo os grandes lucros que os estrangeiros vinham tendo em Portugal; exemplo: Companhia dos Vinhos do Alto Douro.

proibiu a exportação de ouro.

 

Reformas sociais

perseguiu a nobreza e o clero (sobretudo os Jesuítas, que expulsou do País), retirando-lhes bens e cargos, chegando a prender e executar alguns deles, para reforçar o poder do rei;

protegeu os comerciantes e os burgueses, e declarou o comércio como profissão nobre (1770);

proibiu a escravatura no Reino (1771), continuando a existir nas colónias.

 

Reformas no ensino

criou escolas "menores" (equivalentes ao 1º ciclo), por todo o país e reformou a Universidade de Coimbra;

foi dada maior importância à observação e experimentação;

fundou o Real Colégio dos Nobres.

Depois da morte de D. José I (1777), sua filha, a rainha D. Maria I, demitiu o Marquês de Pombal de todos os cargos que ocupava no Governo.

 

Execução dos Távoras

 

 

 

Expulsão dos Jesuítas

O Império Colonial Português no século XVIII e a Lisboa Pombalina

 
 
Queres testar os teus conhecimentos sobre o Império Colonial Português no século XVIII e a Lisboa do tempo do Marquês de Pombal????
 
Então Clica AQUI e diverte-te.

 

O IMPÉRIO PORTUGUÊS NO SÉCULO XVIII

Durante o domínio filipino, os inimigos de Espanha (Holanda, Grã-Bretanha, França) ocuparam parte do Império Português, sobretudo a Oriente.

O Brasil veio então tomar o lugar que tinha antes a Índia na economia portuguesa. O açúcar, primeiro, o ouro e os diamantes, depois, eram agora as principais riquezas que chegavam ao reino.

 

publicado por ana às 20:40
link do post | comentar | favorito
partilhar
.Vídeos de História

 

.Atlas

 Mapa-Múndi

.História Divertida

 

 
 
 
 
 
 
 

 

 

.e-mapps

 

Mapa Interactivo da Europa

aceder aos vários países da Europa
e a um conjunto variado de jogos
sobre os países da Europa.
 
 

 

Pesquisar

 

 

.Galeria de imagens

 

Galeria de Imagens para Trabalhos de História
 
 
.subscrever feeds